Adestramento Básico

Adestramento Básico
Fevereiro 29, 2012 AlexKB

cão lendo

Todo filhote é como uma criança pequena, precisa ser educada pra que aprenda o que é certo e errado, o que se pode ou não fazer no seu novo lar.
Um cachorro mau educado é quase sempre resultado da educação que seu dono deu.
Aqui vão algumas dicas de adestramento básico para seu novo companheiro.

Desenho de cães

  • DEMONSTRE CLARAMENTE QUE VOCÊ É O LÍDER DA FAMÍLIA-MATILHA.Pode parecer estranho, mas o cão nos considera membro de sua matilha. Por isso, para ganhar respeito e confiança dele é fundamental que você assuma a liderança. Algumas dicas: Procure andar sempre à frente do seu cachorro. Se você perceber que ele se adianta, mude de direção até que ele perceba que deve prestar atenção em você.
    Seja sempre o primeiro a entrar em casa ou passar por portas e portões.
    Se ele pedir algo (como comida, petisco, passeio) sempre peça para ele executar algum comando antes. Assim ficará claro que é ele que está obedecendo, e não você
    Não seja violento com ele. Os cães costumam imitar os seus líderes, portanto ele pode passar a usar a violência com você quando quiser reafirmar sua posição.
  • O PROCESSO EDUCATIVO INICIA-SE DESDE A CHEGADA AO NOVO LAR.Todos os direitos e deveres do filhote começam a partir do momento que ele chega ao novo lar e é apresentado à nova família. Não adianta quando ele é filhote ficar no sofá e cama e quando adulto você mandar ele descer que ele não vai entender o porquê disso.
  • TODOS OS MEMBROS DA FAMÍLIA-MATILHA DEVEM APRESENTAR A MESMA CONDUTA.Todos os direitos e deveres do filhote devem ser aplicados por todos aqueles que constituem a sua família-matilha. Não adianta nada uma pessoa ensinar uma coisa e outra pessoa ensinar outra. Ele nunca vai saber o que é certo assim.
  • UTILIZE O BOM SENSO DURANTE TODO O PROCESSO EDUCATIVO.O processo de aprendizagem depende de fatores como tempo de convivência, dedicação, paciência, espaço físico, apetrechos, técnicas … conheça-os e utilize-os corretamente.
  • ADAPTE-SE AO MODO DE VIDA DELE.Planeje sua vida, organize seus horários, prepare sua casa, minimize possíveis imprevistos e acidentes… reconheça as diferenças que existem entre vocês e permita-lhe que seja ele mesmo.
  • COMPREENDA O SIGNIFICADO DE SEUS COMPORTAMENTOS.Ele possui seus próprios instintos e emoções… pesquise e tente entender o que se passa na cabeça dele, principalmente quando agir de maneira inesperada e/ou indesejada.
  • ENSINE-O QUANDO ELE SE DEMONSTRAR RECEPTIVO.O melhor momento para ensiná-lo é quando ele está preparado para vivenciar novas experiências… trabalhe o filhote quando sua capacidade de aprendizagem estiver maximizada.
  • MOTIVE-O AO MÁXIMO DURANTE O APRENDIZADO, ELOGIE SEU CÃO.Todo tipo de aprendizado deve ser interpretado por ele como uma brincadeira muito divertida…  elogie, encoraje, recompense, retribua sua atenção e você notará grandes evoluções em pouco tempo. Pense no petisco como algo além de um alimento. Assim como o brinquedo, a comida ou o passeio, o petisco é um prêmio por ele ter sido obediente. Elogie o cão ao dar o petisco e ao ato dele comer. Com o tempo ele saberá que receber o petisco marca uma aprovação de seus donos e assim a recompensa terá um valor cada vez maior.Mantenha recompensas em locais estratégicos petiscos e brinquedos devem estar sempre por perto, espalhados pela casa. Se você deixar essas recompensas apenas na área de serviço, por exemplo, o cão pode responder super bem nesse local e ignorar os comandos no restante da casa.
  • RECOMPENSE-O SEMPRE QUE APRESENTAR UM COMPORTAMENTO DESEJADO.Presenciando um comportamento desejado, retribua-o efusivamente e imediatamente após o ato. Use um tom de voz suave, uma postura amigável e porque não… um petisco canino. Com carinho e atenção as chances desses atos se repetirem rotineiramente serão bem maiores.
  • REPREENDA-O SEMPRE QUE APRESENTAR UM COMPORTAMENTO INADEQUADO.Presenciando um comportamento indesejado, chame sua atenção imediatamente após o ato (não é válido para eliminação de fezes e urina). Use um tom de voz severo e uma postura dominante, sem utilizar punição física. Gradativamente esses atos serão extintos.
  • EVITE DAR “BRONCAS” POR QUALQUER MOTIVO.Evite dar “bronca” nos momentos em que o cão tiver dificuldades em relacioná-la ao comportamento errado que se quer coibir. Sem a certeza do motivo, o cão irá apenas se acostumar à “bronca”.
    Muitas vezes, ao fazer algo errado, o cão está apenas querendo chamar a atenção. Cair nessa “armadilha” (por exemplo, correr atrás do animal para um objeto de sua boca) reforçará esse comportamento.
  • NÃO USE VIOLÊNCIA FÍSICA.Usar violência física como punição é um erro grave que levará o cão a desenvolver distúrbios comportamentais, como medo excessivo e/ou agressividade. Além disso, depois de estabelecida essa prática, tornam-se remotas as possibilidades de reversões futuras no quadro comportamental.
    Se, no entanto, a punição for inevitável, é imprescindível escolher o momento exato em que deve ocorrer. A melhor ocasião será durante a “intenção”, antes de o comportamento errado acontecer; ou ainda quando o comportamento errado está acontecendo, sendo ideal torná-lo desagradável ou sem graça. Depois de o comportamento errado ter terminado, a punição fica sem sentido. A melhor estratégia será então tentar provocar a mesma situação novamente para, aí sim, aplicar a punição.
  • INTEGRE O ADESTRAMENTO NO DIA-A-DIAÉ importante integrar os comandos no convívio com o seu cão e exercitá-los ao longo do dia. Por exemplo, sempre que você for fazer carinho, peça para ele sentar, deitar, dar a pata etc. Se você reservar apenas 20 minutos do dia para praticar o adestramento, seu cão pode aprender a obedecer somente durante esse tempo.

COMANDOS BÁSICOS

Comandos de voz e sinais são as “dicas” que damos ao cão para que ele entenda exatamente o que queremos que faça. Geralmente, os comandos de voz e sinais são ensinados simultaneamente. Confira alguns comandos básicos que você pode praticar com seu animal de estimação:

SENTA

Coloque a mão com a recompensa (pode ser um biscoito, por exemplo) à frente e acima do focinho do cão e faça um movimento em direção à traseira. Ele terá de olhar muito para cima para ver a recompensa e acabará sentando para conseguir uma posição melhor. Nesse momento, clique e dê a recompensa a ele. Gradualmente, distancie o clicar do momento em que o cachorro sentou, mas exija que ele continue na mesma posição.

Adestramento Sentar

DEITA

Antes de ensinar esse comando, é melhor que ele já tenha aprendido a sentar. Com o cão na posição sentada, faça com que ele siga sua mão com o focinho em direção ao chão. Se ele levantar a traseira do chão faça com que volte à posição sentada e então comece novamente. Senão, clique quando ele encostar os cotovelos no chão. Com alguns cães é necessário que se recompense algumas vezes apenas por ele ter abaixado um pouco, antes mesmo de conseguir fazer o movimento completo.

Adestramento Deita

FICA

Ensinar o cão a ficar exige um pouco mais de tempo e paciência porque ele gosta de se movimentar e ficar próximo do dono. Para começar a praticar esse comando, coloque o cão na posição desejada (sentado ou deitado, de preferência) e comece a distanciar gradualmente o clique do momento em que ele sentou ou deitou. Com a mão espalmada faça o sinal enquanto repete a palavra “fica”. No começo, clique por alguns segundos parado. Gradualmente aumente o tempo e mude o seu posicionamento em relação ao cão. Inicialmente procure voltar para perto do animal antes de clicar, pois muitos cães ficam muito ansiosos para correr em direção ao dono.

Comando Fica

VEM

O comando “vem” é extremamente importante pois é muito utilizado no dia-a-dia. Apesar de fácil de ser ensinado, a maioria das pessoas acaba utilizando esse comando em momentos errados. Falar “vem” para dar uma bronca ou para prender faz com que seu cão prefira se esconder ou correr quando ouve essa palavra. Se você costuma usar “vem” para dar broncas, procure escolher outra palavra como comando. Pode ser “aqui” ou mesmo o nome dele. Para ensinar esse comando, diga “vem” e em seguida mostre um petisco ou brinquedo. Logo que ele chegar até você, clique e dê a recompensa. Vá fazendo isso em diversas situações e quando ele estiver vindo prontamente, passe a mostrar a recompensa somente depois de clicar. O sinal para esse comando pode ser bater as duas mãos nas suas pernas ou levantar um braço e abaixá-lo apontando para o chão.Adestramento Pegar a bolinha

DEIXANDO-O SOZINHO

Deixando o cão sozinho

Cão carente

Todo cãozinho é extremamente curioso e certamente vai mexer, morder, engolir, puxar e enfiar o seu focinho em tudo o que estiver ao seu alcance. Para evitar graves acidentes e grandes prejuízos, nunca o deixe sozinho e solto por toda a casa.

Condicione-o a ficar sozinho por períodos curtos desde sua chegada ao novo lar. Aumente aos poucos esses intervalos durante as primeiras semanas de adaptação.

É importante que ele aceite sua ausência como parte da rotina normal, onde ele irá se entreter com algum brinquedo especial, alguma guloseima ou simplesmente descansará.

Durante o dia deixe-o no seu cômodo previamente preparado “a prova de filhotes” e feche a porta por alguns minutos. Caso ele se desespere, chore ou arranhe a porta… não corresponda. Aguarde em silêncio e somente abra a porta para ver se está tudo bem quando ele estiver quietinho e tranquilo.

Outro cuidado importante é não dar-lhe nenhuma atenção aproximadamente 10 minutos antes de você sair de casa e o mesmo período após chegar, ignorando a sua presença. Não corresponda a sua alegria, a fim de controlar sua ansiedade e aceitar suas chegadas e partidas com a maior naturalidade. Com um pouco de treino e paciência, o cãozinho não se sentirá triste e abandonado quando estiver sozinho.

PASSEANDO A PÉ

Cão Passeando

Peça auxílio profissional na hora de comprar a coleira e a guia mais apropriada para o porte e o temperamento do filhote. Tente condicioná-lo com a guia desde cedo, fazendo com que ele aprenda a andar junto com você dentro de casa.

Em pouco tempo, ele associará esses apetrechos (coleira + guia) como sinal de que vivenciará momentos divertidos com você.

Aproximadamente 2 semanas após o término do programa de vacinação o filhote estará apto para andar em locais públicos. Faça isso de uma maneira lenta e gradativa… saia com ele e deixe-o observar o movimento local. Aos poucos ele irá se acostumando com o barulho dos carros e com a presença de pessoas e animais estranhos.

A partir do momento que ele se sentir seguro e preparado para encarar o “mundo exterior”, inicie as caminhadas pela vizinhança. Passeios curtos em horários tranquilos e temperatura agradável.

Lembre-se sempre que é ele que vai passear com você, e nunca o contrário. Como líder da família-matilha é você que determinará o trajeto por onde vocês irão andar, assim como os lugares para descanso.

VIAJANDO DE CARRO

Cinto de Segurança para cães

Transporte de cães

Se você pretende levá-lo para longas viagens de carro, condicione-o desde pequeno em caixas de transporte apropriadas. Para que o filhote não se sinta preso e castigado dentro dessa caixa, faça um associação agradável antes de começar a utilizá-la nas viagens.

Coloque uma toalha dobrada e alguns brinquedos dentro da caixa, oferecendo-a como uma nova casa. Deixe-a no mesmo local onde ele está acostumado a dormir, pois em pouco tempo ele reconhecerá essa caixa como um “lar móvel” seguro e confortável.
Se não quiser transportá-lo dessa maneira, deixe-o no banco de passageiro ou no banco de trás preso a um cinto de segurança próprio para cães. Não esqueça de forrar o estofamento. Assim você garante a sua segurança e a dele, pois evita que ele atrapalhe a condução do veículo.

Nunca leve-o totalmente solto pelo carro, nem permita que fique com a cabeça para fora da janela tomando um “ventinho”. Dessa maneira ele pode adquirir uma conjuntivite e/ou uma otite. É perigoso para você, perigoso para o cão e proibido por lei.

Durante as pausas para descanso, nunca deixe o cãozinho dentro do carro quente e pouco ventilado, pois o risco de insolação é grande. Também não o alimente… apenas ofereça um pouco de água e deixe-o andar um pouco para “esticar” as patas e fazer suas necessidades.

Caso ele seja muito sensível e passe mal durante as viagens, peça orientação ao médico veterinário sobre a medicação mais apropriada para controlar enjoos e minimizar seu mal estar.

VIAJANDO DE AVIÃO

Cão fantasiado de avião

Se você pretende levá-lo em alguma viagem aérea, pesquise com bastante antecedência as companhias aéreas que transportam animais e fazem o trajeto desejado, pois nem sempre é fácil conseguir uma passagem para o filhote no mesmo voo.

Os documentos necessários para o transporte aéreo dentro do Brasil são: Carteira de Vacinação em dia e Guia de Trânsito Animal (GTA). Esse GTA é emitido pela Secretaria da Agricultura e por médicos veterinários credenciados no Departamento de Defesa Animal.

Se a viagem for para o exterior é necessário um Atestado de Trânsito Internacional. Esse atestado é emitido pelo Ministério da Agricultura, mediante a apresentação de um Atestado de Saúde e a Carteira de Vacinação em dia. É obrigatório que a vacina anti-rábica tenha sido aplicada no mínimo com 30 dias de antecedência da data do embarque.

Uma caixa de transporte deve ser utilizada para a contenção e transporte, sendo o tamanho adequado aquele em que o animal consiga ficar em pé e dar uma volta dentro da própria caixa.

Nunca deixe ração, brinquedos, ossinhos ou mesmo água a disposição do filhote durante a viagem… deixe apenas um cobertor ou uma toalha macia para forrar o assoalho da caixa e deixá-la mais confortável.

Mantenha o cãozinho em jejum de alimentos sólidos por aproximadamente 6 horas antes do embarque. Caso ele seja muito sensível e passe mal durante a viagem mesmo estando de jejum, peça orientação ao médico veterinário sobre a medicação mais apropriada para controlar enjoos e minimizar seu mal estar.

ADMINISTRANDO MEDICAMENTOS

xarope para cães

Quando for necessário administrar alguma medicação oral para um cãozinho, faça-o como se fosse uma brincadeira. Se o remédio (comprimido, cápsula, pó, pasta, suspensão, etc.) tiver um odor agradável, ofereça de modo que ele tome de livre e espontânea vontade.

Espere o filhote ficar com fome e ofereça como se fosse um novo petisco. Se isso não der certo, camufle o remédio em algum alimento que dê liga e atraia sua atenção… as carnes enlatadas para cães são uma ótima opção.

Prepare um bolinho pequeno dessa carne, esconda a medicação bem no meio e deixe que ele devore tudo em uma só abocanhada. Certifique-se se ele ingeriu todo o petisco.

Se essas primeiras opções falharem, dilua a medicação em um pouco de água e ofereça a solução aos poucos com uma seringa (sem agulha). Levante delicadamente a cabeça do filhote, abra os lábios no canto da boca e injete a solução entre os dentes do fundo. Não é necessário abrir a boca, pois isso provoca mais ânsia deixando o animal mais impaciente.

Se não for permitido dissolver o remédio (confirme isso com o médico veterinário), abra a boca do filhote e coloque a medicação na base da língua. Segure o focinho fechado e o mantenha voltado para o alto até que ele engula.

HOSPEDANDO-O EM HOTÉIS CANINOS

Cães de férias

Quando for preciso deixar o cãozinho em alguma hospedagem canina, peça referências às pessoas conhecidas que já tenham usufruído desse tipo de serviço aos seus cães. Procure estabelecimentos que possuam uma boa infra-estrutura e um médico veterinário responsável.

Um estabelecimento sério e profissional perguntará se os cuidados básicos de saúde do cãozinho estão atualizados: vacinas, controle de endoparasitas (vermes e protozoários) e ectoparasitas (pulgas, piolhos, carrapatos).

O preenchimento desses requisitos faz com que o hotel só aceite animais saudáveis de donos responsáveis, minimizando o risco dele adquirir doenças infecto-contagiosas durante sua permanência.

Formalize um contrato de prestação de serviços, onde eles serão responsáveis pela saúde e bem estar do cão durante sua ausência. Os alimentos e os produtos utilizados para a sua higiene devem ser os mesmos que ele já está acostumado.

Certifique-se também que todos os cuidados a serem tomados com o animal durante a hospedagem seja a mais próxima possível de sua rotina normal (horário das refeições, passeios, escovação, banhos, etc.).

0 Comments

Leave a reply

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

*